Grandes aberturas de séries

Quando eu era criança, uma das coisas que eu mais gostava ao assistir desenhos era ver as aberturas. Haviam nelas cenas de episódios que nunca tinha visto (que eram, em sua grande maioria, cenas descartadas e que nunca fariam parte de episódio nenhum) e, assim, eu sabia o que já vira ou não. Fora que não sabia o que era temporada, mas quando a abertura mudava eu sabia qual grupo de episódios poderia ser. Ficava confuso (e até meio decepcionado) quando novos capítulos apareciam os créditos iniciais se mantinham.

Mais velho, percebi que isso se aplicava a seriados em geral e alguns ainda caprichavam. Passei a valorizá-las ainda mais. Não é preciso mostrar cenas dos episódios nem mudar com outra temporada, são como pequenas histórias que mostram o que é a série. Hoje, quando vejo uma boa apresentação, sei que houve um capricho a mais dos criadores.

E os temas? O que seriam dos nossos desenhos e séries favoritos sem que as músicas de abertura não ficassem grudadas em nossas cabeças? Aquela sensação de que estamos prestes a assistir um novo episódio. Quando a apresentação é boa, não importa se estamos fazendo uma maratona de todos os episódios, nem pensamos em pular, faz parte da experiência.

A história dos créditos iniciais (tanto de seriados, quanto de filmes) vou deixar para outro post, hoje o foco é só nas aberturas das séries. A seguir, algumas das minhas favoritas e por que:

A natureza e o ser humano em True Blood

Dizem que True Blood é Crepúsculo para adultos. Estão errados, pois as únicas coisas em comum entre ambos são o fato de existirem vampiros e lobisomens e um triângulo amoroso. Essa relação é feita apenas porque a saga Crepúsculo trouxe esses seres místicos de volta à moda. Caso você não tenha vontade de assistir ou, simplesmente, se desinteressa por True Blood por causa dessa comparação ilusória, assista esta apresentação:

Esse é o clima da série. Mesmo sem mostrar nenhum personagem ou contar uma história linear, consegue te ambientar geografica, psicologica e libidinosamente. Você tem sexo, violência, religião, morte, vida, perdão, renascimento, inocência, tudo misturado em apenas um minuto e meio. É como assistir o mundo humano pelos olhos de uma criatura sobrenatural caçadora e imortal. Além do visual, é claro, temos a música Bad Things, de Jace Everett, que sonoriza perfeitamente o ambiente proposto.

Essa apresentação é tão boa que concorreu ao Emmy de “Outstanding Main Title Design” (Design excelente de abertura) em 2009. Sim, não sou o único que liga pra essas coisas. A propósito, a série é um Thriller Erótico perfeito para tirar o gosto ruim de Crepúsculo da boca, recomendo.

A rotina diária de um serial killer em Dexter

Embora seja mostrada a manhã de Dexter em vários episódios, gosto de imaginar que ele, assim como um típico serial killer, tem um padrão pra fazer as coisas. Ou seja, gosto da idéia de que ele repita o que é mostrado na abertura todos os dias, inclusive se cortar fazendo a barba e matar um mosquito sempre que acorda.

Essa apresentação nos mostra exatamente o que esperar da série: um psicopata vivendo como uma pessoa normal, sem que ninguém desconfie, mas é só reparar bem em suas ações que vemos o sadismo que ele apresenta. A abertura foi criada pela mesma equipe de True Blood e, em 2007, ganhou o prêmio que mencionei acima.

A família d’Os Simpsons

Um ótimo exemplo de como apresentar seus personagens. Você pode assistir Os Simpsons pela primeira vez em qualquer episódio – algo quase exclusivo de séries com capítulos independentes, com cada contando uma nova história. Porém, algumas podem te deixar meio perdido, pois os personagens não são explorados e explicados em cada episódio, obviamente. Os Simpsons não tem esse problema, pois a abertura te mostra exatamente as características principais de cada personagem. Melhor vídeo que encontrei para mostra-la foi esse (que mostra tanto a seqüencia antiga e quanto a em HD):

Ela muda a cada episódio: a frase na lousa, a cena final do sofá, a música tocada por lisa, quando a abertura ficou em HD tem sempre um objeto passando na frente do título e, em alguns capítulos, mudanças maiores ocorrem (já te mostro). Essa característica só aumenta a vontade de parar e prestar atenção no seriado.

Uma aula de geografia em A Guerra dos Tronos

Um simples mapa não é suficiente para gerar interesse de onde é e qual a história de um lugar específico. Já um globo é muito mais divertido: você diz que se mudará para o lugar que apontar no globo, coloca-o para girar e, após algumas voltas, o faz parar com seu dedo indicador. Assim, aprendemos como a sorte e a probabilidade não são nosssas amigas na hora de definir um lugar para morar – 3/4 da superfície do nosso planeta são água e, do que sobrou de terra, metade é composta por desertos e montanhas.

Agora, imagine que seu mapa-múndi fosse assim:

Boa sorte tentando tirar esse tema incrível da sua cabeça.

Lembra do prêmio de “Destacante Título Desenhado Principal” que falei lá em cima? A Guerra dos Tronos ganhou em 2011. Além disso, Os Simpsons parodiaram-na:

[videolog 760393]

E você, lembra de alguma abertura sensacional? Deixe um comentário dizendo qual, pois mais posts de aberturas virão! No próximo, falarei sobre grandes aberturas de filmes, aguarde!

Anúncios

  1. Breno

    Como você já deve ter reparado eu sou mais de trilhas sonoras do que de resto, tanto que percebi que não falou algo importantíssimo! Toda apresentação dos Simpsons a Liza faz um solo de sax diferente no meio do tema maravilhoso composto pelo genial Danny Elfman. Inclusive ótimas músicas de entrada e boas mas não necessariamente geniais aberturas é Laboratório de Dexter e Freakazoid.
    Quando começou com True Blood, a primeira coisa que pensei foi: Porra, não acredito que ele esqueceu Dexter. Ainda bem que ele estava ali, mas dá pra falar um texto inteiro só analisando a abertura de Dexter. Ela é a mais genial que já vi. Tudo é minuciosamente calculado do jeito frio de um serial killer e até a laranja que ele usa pra preparar suco é uma Blood Orange (vi uma de verdade pela primeira vez 2 dias atrás, não sabia se existia de verdade antes). Tudo é ele fazendo o rotineiro, mas dá pra ver que pra ele é algo mais. Amarra o sapato como se fosse um torniquete, coloca a camisa quase como se fosse colocar um saco na cabeça de alguém pra sufocar. Porra, e a faca que ele tem pra cortar laranjas?!
    Outras que são no mínimo interessantes é a abertura de Presença de Anita e da novela A Favorita. Esta, inclusive, com uma música que se encaixa muito bem, um tango eletrônico da banda Bajofondo que acaba intensificando a dualidade da novela que dá pra ver claramente nas duas cores da tela e nos dois lados, um com preto e um com branco.

    • Então, spoilers.
      Você adiantou várias coisas que vou comentar nos próximos posts com esse tema (repare que fiz uma categoria para isso). Grandes músicas de abertura, aberturas de desenhos, aberturas de novelas… tudo isso vai aparecer em posts futuros.
      Sobre a abertura do Dexter, não quis me extender no óbvio (descrever a abertura, se tem o vídeo disponível). Todo fim de post incentivo comentários para ver analises como a sua.
      Sobre o solo da Lisa, nunca reparei pra ser sincero, achei demais.
      Muito obrigado pelo comentário, é o tipo de feedback que procuro. Suas sugestões foram anotadas para futuros posts. Volte sempre!

  2. Ronaldo

    Na verdade é o Fábio. Tá de parabéns pelo post, gostei bastante. A análise do Breno também é de tirar o chapéu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: