Grandes Cenas Românticas Animadas

12 de Outubro, um feriado importantíssimo: meu aniversário de namoro.
Sim, meus queridos leitores, hoje comemoro, junto com minha querida companheira, a testemunha de minha vida, minha musa, ídola e – por que não? – minha fã número um, 8 longos e deliciosos anos compartilhados.

São 8 voltas em torno do Sol a 107 mil km/h e, com ela, a sensação que tenho é que meu coração bate mais rápido que isso.
São 2922 voltas em torno da própria Terra, a 1548 km/h, girando e girando. Mesmo assim, ela é muito mais estonteante que isso.

Falando em coisas doces, lembro que a data de hoje tem outra comemoração que é, definitivamente, menos importante: Dia das crianças.
Tendo em mente a combinação dessas datas, resolvi tematizar o post duplamente: amor e animação (estou falando de filmes, e não de festa infantil).

Preparem sua caixa de lenços e dê um saco de pipocas doces para sua criança interior, pois agora lhes entrego as 4 cenas mais românticas do cinema animado:

Uma vida em 8 minutos em UP – Altas Aventuras

Meu favorito da Pixar.
Um bom filme infantil não é aquele que só crianças e garotas com um leve retardo vão gostar (que maldade com pessoas com retardo, até elas têm bom gosto para filmes), mas sim aquele que fala com sua criança interior. Up faz isso magestralmente.
Com personagens inesperados de difícil identificação – um idoso, uma criança, um cachorro falante e um pássaro gigante -, o filme constrói cada um deles de forma que você se importe.

Mas ele ganha o prêmio pela abertura, uma das melhores do cinema (e sim, farei posts com as outras). O personagem principal é definido e compreendido completamente neste pequeno curta que é essa apresentação, criando um laço forte entre o telespectador e ele.
Essa abertura fez muito marmanjo chorar em menos de 10 minutos, eu não estava brincando quando mandei vocês pegarem suas caixas de lenços.

[jwplayer mediaid=”565″]

O belo jantar italiano d’A Dama e o Vagabundo

Confesso que não lembro praticamente nada desse longa, exceto a cena em questão. Posso dizer, inclusive, que são poucos os que, de fato, lembram bem de momentos do filme que não a cena. Porém, é justamente esse meu argumento para coloca-la aqui. É um desenho animado, é um filme infantil, é um filme de cachorro e os cachorros falam. Ou seja, dificilmente o público dele seria mais limitado.

É, além de tudo isso, um filme romântico. Animação infantil de cachorros falantes apaixonados e, mesmo assim, você sabe de que cena estou falando.
Ou seja, mesmo não tendo idéia de como é o resto do filme, o cinema foi marcado com a seguinte sequência:

[jwplayer mediaid=”563″]

O mundo novo de Aladdin

Imagine que um Gênio apareça e lhe conceda 3 desejos (e você não pudesse pedir mais desejos, poder pedir mais desejos, mais Gênios, sinônimos de desejos ou variantes). O que pediria? Mulheres, dinheiro, mulheres e iates?

Você tem uma paixão: A Princesa de Agrabah. Assim, nosso querido amigo Aladdin desejou tornar-se um príncipe.
Porém, isso não é suficiente para impressionar uma mulher que tudo tem. Aladdin mostrou como é a vida diferente da dela, como o mundo é grande. As riquezas não faziam o caráter daqueles personagens, a grande qualidade de Aladdin era sua liberdade. E ele mostrou pra ela um mundo completamente novo!

Não, não é um mundo ideal, não precisa ser ideal, por isso a versão original, legendada:

[jwplayer mediaid=”562″]

A valsa de A Bela e a Fera

Sabe aqueles filmes que você só passa a valorizar depois de velho? Revi A Bela e a Fera no cinema esse ano, em 3D. Devo dizer que, até então, foi o melhor uso da tecnologia que vi.

Minha lembrança é que o filme era bobo, de um príncipe mimado e uma garota com síndrome de estocolmo.
Bem, não deixa de ser, mas, de forma alguma, é um defeito. Afinal, brincar com estereótipos é uma ótima forma de ensinar as crianças sobre moralidade e virtudes.

Uma história no ponto, tecnicamente a animação é sensacional, o roteiro é balanceado perfeitamente para agradar crianças, mulheres e rapazes apaixonados.
Depois de apresentar todos os personagens, gerando laços com o espectador, ele apresenta a seguinte cena que, obviamente, você sabe qual é. Infelizmente, não encontrei a original com legendas, então acompanhe com essa tradução aqui.

[jwplayer mediaid=”558″]

E é nesse clima apaixonado que finalizo mais um post aqui na Mira Machina.

Luiza, eu te amo.

Anúncios

  1. Dedeia

    Mto legal seu post, Lipe! Parabéns!!!!

  2. Pingback: Por que e para que os gatos ronronam? | Mira Machina

  3. PJ

    Parabéns ao casal!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: